Publicado por: horacionoronha | 06/07/2015

Encontro Nacional de Trabalhadores Cristãos

DECLARAÇÃO DE COIMBRA

Sociedade Justa e Sustentável, Com Trabalho Para Todos

A LOC/MTC – Liga Operária Católica/Movimento de Trabalhadores Cristãos realizou, um Encontro Nacional de Trabalhadores Cristãos, com o objetivo de estimular o compromisso na dinamização das organizações da sociedade e na democratização das instituições públicas, pela busca de uma Sociedade Justa e Sustentável, como nos tem desafiado o papa Francisco. Num contexto politico e socioeconómico marcado, por uma sociedade que produz pobres e excluídos, e tenta dar-lhes alguma assistência mas em dependência continuada, ao mesmo tempo que entrega os recursos naturais e produtivos a privados e a multinacionais que desenvolvem corrupção, paraísos fiscais, especulação financeira, deslocalização de empresas, Trabalhadores Cristãos, reunidos em Coimbra, declaramos publicamente: NÃO à Precariedade, Desemprego, Pobreza Três referências da sociedade atual que podem ser uma mistura explosiva.

 Os trabalhadores, com algumas exceções, estão cada vez mais pobres e sem condições de vida digna, sujeitos a grande pressão nos seus locais de trabalho pelas condições que lhe são impostas e sentem-se desmotivados, deprimidos e empurrados a aceitar, muitas vezes, situações que vão contra a sua dignidade.

 Mais de um milhão de desempregados, em 5,7 milhões em idade ativa, considerando números do desemprego oficial, mais os que já não constam do IEFP e os que são retirados destas listas por estarem em cursos de formação. Com a agravante que 80% não tem subsídio de desemprego, 20% há mais de 2 anos! Dados de dezembro de 2014.

 Não ter uma “ocupação com sentido”, um trabalho digno, é terreno propício para o aparecimento do álcool, prostituição, roubo, violência, desprezo generalizado pela vida, suicídio.

 Crianças que são retiradas dos infantários e muitas vão para a escola com fome, havendo situações em que a refeição na escola é a única que tomam em todo o dia, para além de todos os estragos afetivos resultantes do estado de alma dos adultos, pais, especialmente.

 O Aumento das doenças do foro psiquiátrico provocadas pela insegurança permanente, pelos medos acumulados, pela incapacidade de cumprir compromissos assumidos, pelo sentimento de inutilidade.

 A falta de ética e de moral de quem nos governa, as trapalhadas contínuas, a mentira, as decisões em cima do joelho, os casos frequentes de corrupção de altos funcionários do Estado e de políticos, desenvolvem o sentimento popular de descrédito na ação política, nos partidos e, pior ainda, no sistema democrático.

 A frieza, a falta de pudor e de respeito pela dignidade das pessoas por parte dos governantes é uma das notas mais relevantes da atual situação política e social, agravada pela aprovação de leis desfavoráveis aos mais fracos e desprotegidos.

 Quando se mata para sempre o emprego de adultos na força da vida e se deixam os jovens, anos a fio, à espera de nada; quando se corta nas pensões dos reformados e os idosos são reduzidos a sobrantes, a descartáveis, não está na hora de as comunidades cristãs e seus pastores se levantarem e insurgirem publicamente? Declaramos NÃO, à Precariedade, Desemprego, Pobreza, porque: A dignidade humana tem razões muito profundas

 A razão mais profunda da dignidade humana consiste na vocação do homem à união com Deus. Esta dignidade é que sustenta o direito de toda a pessoa humana ao trabalho e a um trabalho digno, mas a ausência de trabalho não significa ausência de dignidade. Quando uma pessoa se vê privada do direito ao trabalho, de poder ganhar o seu pão é duro, essa dignidade vê-se maltratada, ferida, amachucada,… mas mesmo nessa situação não perde a sua dignidade de pessoa.

 O ser humano é capaz de cooperar, renunciar a alguns privilégios, estabelecer compromissos, ser solidário e não apenas ser competitivo ou concorrente.

 Os bens da terra não são propriedade absoluta de ninguém, nem sequer só desta geração, como nos diz o papa Francisco na sua nova Encíclica.

 A sociedade pode ser mais justa quando proporcionar a todos os cidadãos oportunidades para se desenvolverem como pessoas, tendo para isso acesso aos meios políticos, económicos, educativos, culturais e espirituais, indispensáveis. QUEREMOS Participar, Formar, Acompanhar Lançar à terra sementes de uma nova humanidade

 Há sinais encorajadores: Solidariedade dos pais que ajudam os filhos mesmo com fracos recursos, solidariedade de muitas instituições e de pessoas singulares. A economia social e solidária em crescimento e o fenómeno “papa Francisco”, pelo que faz e pelo que diz, são outros sinais de esperança.

 As crises e a corrupção trazem muitos males, principalmente, aos mais desfavorecidos. Mas as dificuldades mais sentidas, a visibilidade das injustiças e a afronta ao enriquecimento escandaloso, ajuda-nos a reagir e a atuar também, encontrando forças que não imaginávamos ter.

 Nas eleições que se aproximam iremos valorizar medidas concretas que proponham prioridade às necessidades sociais em lugar dos interesses dos grupos financeiros e económicos, e subordinem a economia financeira às necessidades da economia real e do bem comum. Como disse o Papa Bento XVI na sua encíclica – Caridade na Verdade – “O primeiro capital a salvaguardar e valorizar é o Homem, a pessoa na sua integridade”.

 A participação na transformação do mundo e na ação pela justiça aparecem-nos claramente como uma dimensão constitutiva de ser cristão. Como trabalhadores cristãos queremos estimular o nosso compromisso na dinamização das organizações da sociedade e na democratização das instituições públicas. Não ficaremos indiferentes e comodamente instalados perante as tribulações e injustiças cometidas contra os mais desfavorecidos da sociedade. Vamos ser cidadãos mais ativos e empenhados na denúncia das causas que provocam uma sociedade tão desigual. Não nos vamos demitir dos nossos deveres cívicos e políticos, e seremos agentes de transformação no implementar de uma nova vivência social, baseada nos valores cristãos. E apelamos a que muitos outros cidadãos, cristãos ou não, se comprometam também nesta transformação. Acreditamos no homem e nas suas capacidades para mudar o mundo.

Coimbra 5 de Julho de 2015

LOC/MTC Tel: 21 390 77 11 – Av. Sidónio Pais, 20 – 4º Dir. 1050-215 LISBOA E-mail: loc@sapo.pt – Internet: http:// loc-mtc.ecclesia.pt

Publicado por: horacionoronha | 20/06/2015

«Cântico das Criaturas», de S. Francisco de Assis

A nova encíclica do Papa Francisco – Laudato Si – foi inspirado no «Cântico das criaturas» de S. Francisco de Assis, como segue:

Louvado sejas, meu Senhor,
com todas as Tuas criaturas,
especialmente o senhor irmão Sol,
que clareia o dia e que,
com a sua luz, nos ilumina.
Ele é belo e radiante,
com grande esplendor;
de Ti, Altíssimo, é a imagem.

Louvado sejas, meu Senhor,
pela irmã Lua e pelas estrelas,
que no céu formaste, claras.
preciosas e belas.

Louvado sejas, meu Senhor.
pelo irmão vento,
pelo ar e pelas nuvens,
pelo sereno
e por todo o tempo
em que dás sustento
às Tuas criaturas.

Louvado sejas, meu Senhor,
pela irmã água, útil e humilde,
preciosa e casta.

Louvado sejas, meu Senhor,
pelo irmão fogo,
com o qual iluminas a noite.
Ele é belo e alegre,
vigoroso e forte.

Louvado sejas, meu Senhor,
pela nossa irmã, a mãe terra,
que nos sustenta e governa,
produz frutos diversos,
flores e ervas.

Louvado sejas, meu Senhor,
pelos que perdoam pelo Teu amor
e suportam as enfermidades
e tribulações.

Louvado sejas, meu Senhor,
pela nossa irmã, a morte corporal,
da qual homem algum pode escapar.

Louvai todos e bendizei o meu Senhor!
Dai-Lhe graças e servi-O
com grande humildade!

Publicado por: horacionoronha | 18/06/2015

A nova encíclica do Papa Francisco «Laudato Si»

Dia Mundial da Paz 2014

Alguns eixos atravessam toda a encíclica. Por exemplo: a relação íntima entre os pobres e a fragilidade do planeta, a convicção de que tudo está estreitamente interligado no mundo, a crítica do novo paradigma e das formas de poder que derivam da tecnologia, o convite a procurar outras maneiras de entender a economia e o progresso, o valor próprio de cada criatura, o sentido humano da ecologia, a necessidade de debates sinceros e honestos, a grave responsabilidade da política internacional e local, a cultura do descarte e a proposta dum novo estilo de vida. Estes temas nunca se dão por encerrados nem se abandonam, mas são constantemente retomados e enriquecidos.
Papa Francisco, encíclica «Laudato si», apresentada no Vaticano a 18 de junho de 2015

(Ecclesia)

Publicado por: horacionoronha | 12/06/2015

Nomeações pastorais

Visita Pastoral 3

O Sr. D. Gilberto enviou hoje, sexta-feira, uma Nota em que faz as nomeações pastorais, segundo as necessidades da diocese, ou atendendo a situações particulares.

Como podem verificar, eu também faço parte da lista, passando à situação da “pároco emérito do Pragal”. A palavra “emérito” significa que deixou as funções que tinha, sem assumir outras ao mesmo nível, mas continuando a colaborar em outros serviços da Igreja, segundo as necessidades e as capacidades de cada um. Para o meu lugar virá o P. José Maria Furtado, que tem sido pároco em Palmela. Transcrevo a Nota Pastoral do Sr. Bispo, deixando as despedidas para mais tarde.

“Caros diocesanos e irmãos em Cristo

Envio a lista das nomeações pastorais para este ano que, oportunamente, completarei com um ou outro aditamento.

Agradeço de coração a quem cessa um serviço e desejo as maiores felicidades para quem o começa ou o recomeça noutro lugar. Agradeço ainda a disponibilidade que encontrei em todos.

As respectivas mudanças serão realizadas, em princípio, a partir dos fins de Agosto, conforme acordo comigo e entre os párocos em causa. Eis a lista:

Pe. José Afonso Camacho Rodrigues Marques Pinto sj, pároco emérito da Sobreda;

Pe. Horácio Manuel da Silveira Noronha, pároco emérito do Pragal;

Pe. Fernando Ferreira Belo, pároco emérito de Almada;

Pe. Luís Manuel Martins Ferreira, pároco de Palmela, deixando Faralhão e Praias do Sado;

Pe. Abraão Kasisa, pároco de Faralhão e Praias do Sado deixando de ser pároco de Pegões (Sto Isidro ) e de Pegões (Nossa Senhora de Fátima) e de Canha;

Pe. Miguel Soares de Albergaria d’Aguiar, quasi-pároco de Atalaia com o Pe Carlos Rosmaninho sendo o Pe Miguel o moderador, mantendo ambos as anteriores nomeações. Além disso, o Pe Miguel será também pároco de Sarilhos Grandes;

Pe. José Maria Gonçalves Furtado, pároco do Pragal deixando Palmela;

Pe. Zeferino Baptista Sakapepa, pároco de Pegões (Sto Isidro), Pegões (Nossa Senhora de Fátima) e Canha, deixando os serviços anteriores;

Pe. Marco Fernando da Silva Luís, pároco de Almada, deixando o serviço de pároco do Seixal;

Pe. António Manuel Rodrigues Estevão, capelão das Irmãs da Apresentação de Maria e das Stas Casas da Misericórdia de Setúbal e do Montijo, deixando a paroquialidade da Atalaia e de Sarilhos Grandes;

Pe João Luís Nabais Dias, pároco da Sobreda, deixando de ser vigário paroquial de Almada;

Pe. Tiago André Pacheco da Silva Ribeiro e Pinto, pároco do Seixal, deixando de ser vigário paroquial de Sta Maria do Barreiro.

Peço a oração de todos para que estas mudanças sirvam, do melhor modo, para tornar a nossa Diocese numa comunidade de discípulos missionários de Jesus Cristo.

Aceite os meus melhores cumprimentos.

Setúbal, 12 de Junho de 2015

+Gilberto, Bispo de Setúbal”

Publicado por: horacionoronha | 10/06/2015

«Cura» vem antes da lei, sustenta o Papa

Com os doentes

Francisco diz que Igreja se deve centrar no cuidado de quem está doente no corpo e na alma

O Papa disse no Vaticano que a Igreja Católica tem a missão de ajudar os doentes, seguindo o exemplo de Jesus, e que essa cura vem “antes da lei”.

 “A missão da Igreja é ajudar os doentes, não perder-se em bisbilhotices, ajudar sempre, aliviar, estar perto dos doentes”, declarou, perante milhares de pessoas reunidas na Praça de São Pedro, para a audiência pública semanal, desta quarta-feira.

Francisco recordou que, como os Evangelhos relatam, para Cristo “a cura vinha antes da lei, mesmo daquela tão sagrada como a do descanso do sábado”.

“Quando penso nas grandes cidades contemporâneas, pergunto-me onde estão as portas para onde possamos levar os doentes, esperando que sejam cuidados”, acrescentou, numa intervenção sublinhada com os aplausos dos presentes.

O Papa referiu que “Jesus nunca se recusou a cuidar dos doentes, não foi para outro lado, não virou a cara”, porque “veio para curar o homem de todo o mal, o mal do espírito e o mal do corpo”.

Prosseguindo o ciclo de reflexões sobre a família, Francisco aludiu ao “sofrimento e angústia” com que se vive a doença de quem mais se ama.

“Muitas vezes, custa menos aos pais suportar a própria doença do que a dos filhos”, afirmou.

Segundo Francisco, “o hospital mais próximo” foi a sempre a família e “ainda hoje, em muitas partes do mundo, o hospital é um privilégio para poucos”.

“São a mãe, o pai, os irmãos, as irmãs, os avós que garantem os cuidados e ajudam a curar”, prosseguiu.

Nesse sentido, elogiou a “heroicidade escondida” das famílias que cuidam de quem está doente, “com ternura e com coragem”.

O Papa sublinhou a importância de educar as crianças, desde pequenos, “para a solidariedade no tempo da doença”, evitando que elas sejam “anestesiadas” para o sofrimento dos outros e a “experiência da limitação”.

“Devemos agradecer a Deus pelas beneméritas experiências de fraternidade eclesial que ajudam as famílias a atravessar o difícil momento da dor e do sofrimento”, observou.

“Se alguma vez a vida fizer desencadear turbulências espirituais na vossa alma, ide procurar refúgio sob o manto da Virgem Mãe de Deus; somente lá encontrareis paz. Sobre vós, vossas famílias e paróquias desça a bênção do Senhor”; concluiu.

(Com Ecclesia)

Publicado por: horacionoronha | 05/06/2015

Profetas de um tempo novo

«Vejo mais saudosos do regresso aos privilégios adquiridos do que profetas de um tempo novo»

(D. Carlos Azevedo, Bispo português em Roma)

Publicado por: horacionoronha | 04/06/2015

Nova encíclica do Papa sobre ecologia, a 18 de junho

Ecologia

 A 15 de janeiro deste ano, o Papa disse que a sua próxima encíclica, sobre a ecologia, iria ser publicada entre junho e julho, ainda a tempo de pressionar a comunidade internacional para decisões corajosas na Conferência do Clima 2015, em Paris.

“A última conferência, no Peru [dezembro de 2014], desiludiu-me, esperemos que em Paris sejam um pouco mais corajosos. Penso que o diálogo entre religiões é importante, também neste ponto, e que estamos de acordo num sentimento comum”, referiu aos jornalistas, durante a viagem que o levou do Sri Lanka às Filipinas.

Até dezembro, em Paris, vão decorrer uma série de eventos destinados a definir um novo acordo climático global pós-2020, centrado na redução de emissões para limitar o aumento médio de temperatura em 2º.

“Em grande parte, é o ser humano, que dá chapadas à natureza, quem tem responsabilidade nas alterações climáticas. De certa forma, tornamo-nos donos da natureza, da mãe terra”, alertou o Papa, para quem “o homem foi longe demais”.

A encíclica é o grau máximo das cartas que um Papa escreve; entre os principais documentos do atual pontificado estão a encíclica ‘Lumen Fidei’ (A luz da Fé), que recolhe reflexões de Bento XVI, e a exortação apostólica ‘Evangelii Gaudium’ (A alegria do Evangelho), estando a decorrer um Sínodo sobre a Família, em duas sessões.

“Que a relação dos homens com a natureza não seja guiada pela cobiça, pela manipulação e a exploração, mas conserve a harmonia divina entre as criaturas e o criador, na lógica do respeito e do cuidado, para a colocar ao serviço dos irmãos, também das gerações futuras”, disse, perante milhares de pessoas reunidas na Praça de São Pedro.

Nesse contexto, aludiu ao setor agrícola e sublinhou que “não se pode tolerar que milhões de pessoas no mundo morram de fome, enquanto toneladas de produtos alimentares” são deitadas fora.

Publicado por: mgracaa | 28/05/2015

A Vigararia de Almada nos 40 anos da Diocese

A Vigararia de Almada nos 40 anos da Diocese

boneco

Encerramento das atividades da Catequese 

das paróquias da Vigararia de Almada (Almada, Cacilhas, Cova da Piedade, Cristo Rei e Feijó)

Dia 13 de junho no Seminário de Almada

 Programa:

14.30 h – Acolhimento

15.00 h – Jogos

17.00 h – Lanche partilhado

17.30 h – Eucaristia

PS – O nosso Bispo, D. Gilberto estará connosco durante uma parte da tarde.

Vem e traz a tua família para vivermos em conjunto a alegria de sermos igreja de Setúbal

Publicado por: horacionoronha | 27/05/2015

Nota pastoral

DSC05188
O nosso Bispo, D. Gilberto, completa hoje 75 anos de idade. Parabéns, Sr. Bispo!
Com data de ontem, fez publicar a seguinte “nota pastoral”:
     Caros Diocesanos
     Os bispos, de harmonia com o Direito Canónico, aos 75 anos apresentam ao Santo Padre a renúncia ao serviço episcopal.
     Uma vez que amanhã perfaço essa idade, tendo cumprido o estipulado no Direito, fico à espera da resposta do Papa Francisco, pelo tempo que ele entender, no exercício das minhas funções episcopais.
     Entretanto, convido todos os fiéis cristãos da Diocese a aguardar, na oração confiante, o bispo que o Santo Padre, quando puder, dará à nossa Diocese.

Casa Episcopal de Setúbal, 26 de Maio 2015
    + Gilberto, Bispo de Setúbal
Publicado por: mgracaa | 25/05/2015

Vamos rezar o TERÇO

                       terco1Neste final do mês dedicado a Maria,

                        domingo dia 31 de maio de 2015

antes da Missa das 11h30m na Igreja do Pragal
convidamos as crianças e adolescentes da catequese e todas as famílias a rezar juntos o terço a Nossa Senhora agradecendo tantas graças que por Ela nos vem de Deus, consagrando-nos à Sua proteção de Mãe, pedindo a Paz para o nosso mundo e correspondendo ao seu apelo em Fátima em 1917:

“Rezai, o terço todos os dias!”

Older Posts »

Categorias

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.