Publicado por: Horácio Noronha | 10/10/2014

Sínodo entra em nova etapa após mais de 250 intervenções

 Sínido

Participantes encerraram debate geral com observações sobre «caminho penitencial» para divorciados

A assembleia geral extraordinária do Sínodo dos Bispos entrou numa nova etapa após mais de 250 intervenções, desde segunda-feira, em busca de novas soluções “pastorais” para responder às questões das famílias contemporâneas.

O porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, disse aos jornalistas que as últimas sessões de trabalho com todos os participantes começaram a debater o “caminho penitencial” a que poderiam recorrer os divorciados que se voltaram a casar.

Em comunicado, a sala de imprensa da Santa Sé precisa que durante as intervenções livres do debate se sustentou a importância de que esse caminho “seja acompanhado por uma reflexão sobre os que ficaram sós e que frequentemente sofrem em silêncio e estão marginalizados”.

A assembleia assinalou também a necessidade de “proteger os filhos” dos que se divorciaram das “repercussões psicológicas” desta separação.

O tema foi abordado, entre outros, pelo cardeal André Vingt-Trois, um dos presidentes-delegados do Sínodo, para quem “parece cada vez mais necessária uma pastoral sensível, uma pastoral guiada pelo respeito das situações irregulares, capaz de oferecer um apoio concreto para a educação das crianças”.

Um dos padres sinodais, filho de divorciados (o cardeal Christoph Schönborn, arcebispo de Viena), falou do “estigma” que ele e os seus pais sentiram por esse facto.

Os participantes no Sínodo apelaram a um maior acompanhamento da Igreja dos “viúvos e viúvas do divórcio”, como foi referido na conferência de imprensa desta sexta-feira.

O padre Lombardi revelou que durante os trabalhos à porta fechada se debateu o “papel da fé para a validade da celebração do sacramento do Matrimónio”, uma questão que levanta “aspetos problemáticos”, porque não é “simples” e exige um “exame aprofundado”.

O tema foi abordado pelo agora Papa emérito Bento XVI em janeiro de 2013, num discurso aos membros do Tribunal da Rota Romana.

A respeito do debate sobre o acesso dos divorciados católicos em segunda união à Comunhão, uma das intervenções recordou que quando São Pio X (Papa entre 1903 e 1914) determinou que a Primeira Comunhão fosse ministrada às crianças a partir dos sete anos de idade, isso foi considerado “extremamente revolucionário”.

“O facto é que há exemplos de coragem por parte de um Papa na reflexão ou introdução de novidades no que diz respeito à práxis do acesso à Eucaristia”, acrescentou o padre Lombardi.

Os trabalhos do sínodo prosseguem agora em grupos linguísticos denominados ‘círculos menores’ e na segunda-feira vai ser publicado o relatório.

(Com Ecclesia)


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Categorias

%d bloggers like this: